Portas

Era um corredor longo, estreito, com piso de madeira que rangia aos passos da menina. Uma música clássica tocava ao fundo. Era Tchaikovsky, O Lago dos Cisnes. A medida que a música se intensificava ela ia andando pelo corredor. Milhares de quadros na parede, fotos de vidas que ela não conhecia, pessoas estranhas e ao mesmo tempo conhecidas. Milhares de possibilidades. Ela se reconhecia em algumas das imagens, mas não se lembrava de nada daquilo. Foi andando. A música chegou no ápice e apareceram três portas em sua frente, todas iguais. Cada qual trazia um quadro branco e um lápis na frente. As portas estavam semi-abertas, mas não era possível ver nada através da fresta. A melodia do Cisne saia delas como se estivesse programada para se repetir. Uma trilha sonora. Os números em cima das portas eram a única coisa colorida no lugar, todo o resto era cinza e uma palavra acima resumia o que deveria ser feito: “COLORA”. Mas qual lápis pegar? Em qual quadro desenhar? Ela olhou para trás em busca de ajuda. O silêncio assustador começava a tomar conta do ambiente e um a um os quadros foram sumindo, desbotando, sugados pelas paredes. Ela precisava decidir. Temia escolher errado. Não havia borrachas, ela não poderia voltar atrás.
O tempo estava passando, Ela agora também perdia a cor. Seu vestido branco estava mais branco e sua pele estava pálida como a de um cadáver. Estava sumindo. Fechou os olhos e deixou as notas musicais entrarem novamente na sua cabeça e invadirem seu corpo. Uma a uma as células de seu corpo vibravam com aquele som. Abriu-os e se virou para a primeira porta: pegou o lápis. A terceira porta tinha o número azul e ela imaginou o céu e o mar azul, brilhantes, enquanto se aproximava da segunda porta. Encostou o lápis no quadro e como se tivesse saído em uma manhã ensolarada sem óculos escuros a luz preencheu o ambiente. Seus olhos foram iluminados e ela viu. Diante de si estava uma nova porta e em cima dela uma nova palavra: “COMPLETE”. A música estourou no corredor quando ela encostou na maçaneta e empurrou a pesada madeira. Do outro lado ela viu seu desenho. O céu límpido, o sol brilhante na água e uma caneta no meio da praia, para desenhar mais, sem apagar o que foi feito, mas acrescentando nele as novas cores, os novos traços. Ela pisou na areia quente e deixou que o vento balançasse seu cabelo, seu vestido e as novas linhas para a nova vista. Água, terra e ar. A junção de três. E o fogo que ardia dentro dela para experimentar, ansiava descobrir quantas outras combinações seriam possíveis de criar se ela apenas transformasse.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s