Eu queria apagar o hoje
Emendar o ontem com o amanhã
Deixar a chuva lavar a sujeira
E o vento carregar as folhas
(a poeira)
Qual o sentido de tudo?
O que estou fazendo aqui?
Rompendo minhas barreiras
Me empurrando para o limite
Mas em toda mudança
Há a permanência
A onda leva e mexe a areia
Mas não para sua dança
Minhas barreiras continuam firmes
Enraizadas como árvores
E mesmo a mais forte das tempestades
Não manda nada com o vento 
(pelos ares)
Os pingos de chuva já me molharam
É tarde demais para voltar a dormir
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s