The Kiss of Deception (Crônicas de Amor e Ódio) – Mary E. Pearson (Resenha)

Eu sou uma daquelas pessoas que você pode definir como curiosa. Ao extremo. Do nível de sonhar com o motivo da minha curiosidade. Se o gato já morreu por causa dela eu estou um passo mais perto dos meus derradeiros dias. Eu não importo com spoilers e muitas vezes eu mesma procuro por eles. Então imaginem a minha cabeça lendo The Kiss of Deception, porque se tem um livro que te deixa curioso o tempo inteiro é esse. Por já saber a dinâmica da história (obrigada booktubers), eu prometi a mim mesma que não procuraria a verdade antes dela ser revelada. Confesso que foi bem difícil. Tinha momentos que eu estava tão curiosa que tinha que me segurar para não dar uma espiada em dois capítulos para frente por não aguentar esperar, e olha que isso é uma coisa que eu faço com muita frequência. Então, no último capítulo de toda essa novela que é a minha cabeça, estou aqui, diante de você, orgulhosa de mim mesma por ter vencido esse desafio e chegado à grande revelação sem ter procurado a resposta antes. Uma vitória pessoal.

A outra pessoa que busca uma vitória pessoal é Lia, a Primeira Filha da Casa Real de Morrighan. Ao contrário do que era de se esperar, ser a Primeira Filha não garante uma vida de regalias nem desejos atendidos. Significa sacrifícios extremos durante todo o percurso, significa, muitas vezes, renunciar a própria personalidade em favor de um bem maior. No caso de Lia o buraco é um pouco mais embaixo, porque ser a Primeira Filha do Reino quer dizer sacrificar seu coração, abandonar tudo que ela conhece para ir morar em um reino desconhecido (Dalbreck), esposa de um príncipe velho e gordo que ela nunca viu na vida. Essa era a tradição e devia ser respeitada. Era assim desde a primeira Primeira Filha e continuaria assim para sempre. Em Morrighan, as tradições eram mais importantes que tudo, até mesmo mais que a família.

Só que Lia não pensa assim, ela já está de saco cheio dessas tradições que, para ela, não fazem sentido. Ela foi submissa desde que era criança e agora seu único sonho, de ser livre, seria ofuscado pelo seu belíssimo Kavah de casamento. Seria, se ela não tivesse tido a brilhante ideia de fugir. Com a ajuda de sua melhor amiga Pauline, ela foge no dia do seu casamento e deixa um princípe plantado no altar e duas famílias bem bravas para trás. Mas ela não estava nem aí para isso, estava decidida a não ser um soldado no exército de seu pai e muito corajosamente cavalgou em busca de um recomeço.

Esse recomeço que ela tanto almejava trouxe algumas consequências que até ela não previra. O príncipe, abandonado no altar, sai escondido atrás de Lia para a encontrar  porque lá no fundo, ele estava era com inveja dela ter tido a coragem de fugir antes dele e queria ver o que ela tinha e ele não (cá para nós, nessa altura todos nós achamos que o problema está na palavra coragem mesmo). Paralela a essa empreitada do príncipe, o grande Komizar de Venda, o reino inimigo de Morrighan, viu nessa fuga da princesa uma oportunidade perfeita para eliminar um problema e contrata um assassino para matá-la.  

Eis que um tempo, e muitas falsas pistas, depois os três se encontram cara a cara. O grande x da questão (e o ponto que a autora foi incrível) é que não sabemos o nome do assassino nem o do príncipe, de modo que quando eles se apresentam para Lia, como Rafe e Kaden, ficamos sem saber quem é quem. Temos conhecimento apenas de que os dois sabem que ela é a princesa e que ela não faz nem ideia de quem são eles (que também são estranhos entre si). A partir daí, os três vão se envolvendo mais e mais e nossa cabeça começa a dar voltas para tentar descobrir qual dos dois é o assassino e qual é o príncipe.

Mesmo com todas as reviravoltas que acontecem, Lia se mantém firme e sensata provando mais uma vez sua força e sua independência. Ela sabe se defender sozinha e tem a plena consciência de que não precisa que ninguém faça isso por ela. Ao contrário de muitas protagonistas, ela não fica se culpando por tudo que acontece no mundo e vai atrás dos seu sonho por ela mesma. Ela sempre teve uma opinião própria e nunca fez questão nenhuma de esconder isso de ninguém, o que a trouxe mais inimizades do que esperava. Por ser muito impulsiva, suas ações geram consequências imprevisíveis e dificilmente irremediáveis, mas ela sabe que não adianta ficar chorando pelo leite derramado, precisa levantar a cabeça e seguir em frente para evitar que mais coisas ruins aconteçam por causa de uma decisão tomadas as pressas e por impulso.

Mary E. Pearson é uma escritora fantástica que conseguiu desenvolver uma história extremamente rica de uma forma muito escondida. Desde a primeira página dá para perceber que ela é o tipo de escritora que vai liberando as informações aos poucos, vai guardando algumas coisas em segredo para que o leitor fique preso na história. Com o desenrolar da trama ela vai soltando no ar determinados elementos que precisam de muita atenção para serem associados à informações já ditas e se você conseguir ligar todos os pontos tudo fica mais claro.

A história é sutil e o desenrolar dela acontece de forma natural. A mitologia não é forçada em cima dos leitores nem é algo à parte da trama, ela está presente nas características dos personagens e muitas vezes é ela que guia as ações de cada um, provando a devoção e o respeito às tradições que Lia tanto critica no começo. Além de tudo, os personagens são muito bem construídos, são sólidos e mesmo quando ainda não sabemos quem é quem dá para notar as particularidades de cada um e as características que os definem. Apesar disso, não dá para ter 100% de certeza se suas suspeitas estão corretas porque a qualquer momento Mary E. Pearson vem com um diálogo e corta totalmente sua linha de investigação.

The Kiss of Deception é um livro que superou minhas expectativas e com certeza irá superar a de vocês. A dose de comédia é como o resto, sutil, e ação é algo que não vai faltar. Leia com muita atenção todas as nuances e as entrelinhas da história e vai ser ver dentro de outra narrativa, mais ampla e convidativa. Os deuses colocaram essa história no caminho de todos para que possamos decifrá-la, então o que você está esperando?

THE KISS OF DECEPTION – CRÔNICAS DE AMOR E ÓDIO  kiss-of-deception-capa-final-volume-1-darksidebooks

Mary E. Pearson

Ano: 2014

Páginas: 409

Gênero: Ficção YA

Editora: Dark Side

Onde comprar: Amazon

Anúncios

3 comentários sobre “The Kiss of Deception (Crônicas de Amor e Ódio) – Mary E. Pearson (Resenha)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s